Compartilhe este conteúdo:

Dê play e ouça este conteúdo!

Em momentos desafiadores, como a crise sanitária de 2020, que alterou a rotina das organizações pelo mundo todo, é cada vez mais importante avaliar os processos atuais e implementar ações que garantam a continuidade da operação a curto, médio e longo prazo. Entre elas estão a gestão de crise em TI.

Para quem tem dúvidas sobre o conceito, trata-se do gerenciamento de processos que devem ser executados com o objetivo de garantir a operação e trabalhar para que os problemas permaneçam apenas na área de origem. Ou seja, fazer com que não atinjam outros setores que inicialmente não foram prejudicados.

Com uma estruturação eficiente para o enfrentamento de problemas e falhas, a organização evita situações inesperadas como servidores offline, equipamentos quebrados, desastres que corrompem sistemas, indisponibilidade de aplicações e vazamento de dados. Dado que, além de afetarem as atividades da empresa, incidentes como esses são capazes de manchar reputações no mercado, comprometendo os resultados.

Para evitar que isso ocorra, é fundamental elaborar um plano de continuidade, o qual determina todos os passos necessários à solução de diferentes demandas e solicitações. Saiba como elaborar esse planejamento com mais eficiência com as 4 dicas a seguir!

1. Implemente o diagnóstico de riscos

Quando se trata de otimizar processos, reduzir custos e garantir mais eficiência em qualquer processo, a prevenção de riscos é uma peça-chave. Para a área de TI, sujeita aos mais diversos incidentes, os quais podem se tornar graves se não forem contornados a tempo, isso é ainda mais importante.

Por isso, o plano de gestão de crise deve envolver um diagnóstico das principais vulnerabilidades que as aplicações estão sujeitas. Como se sabe, imprevistos acontecem e é melhor estar preparado para o momento em que ocorrerem.

O documento deve conter perguntas chave que devem ser respondidas sobre cada etapa do desenvolvimento do projetos, de forma a conhecer os riscos e o seu potencial de impacto. São elas:

  • o que pode acontecer?
  • qual a probabilidade de ocorrer?
  • quais as possíveis consequências?

Cada uma das questões leva a outras mais específicas, que ajudam a empresa a evitar que situações, muitas vezes simples, venham a se transformar em grandes desafios.

2. Elabore protocolos de contingência

A partir do levantamento de riscos e criação do diagnóstico, o próximo passo do plano de continuidade e gestão de crise é a elaboração dos protocolos de contingência. Esses envolvem as condutas que devem ser tomadas conforme cada tipo de ocorrência.

Como é sabido, todas as empresas estão sujeitas a riscos. Ter conhecimento sobre eles permite a antecipação de processos que facilitam as condutas necessárias para a reparação de falhas e problemas.

3. Identifique prioridades

Por meio de dados trazidos pelas duas etapas acima citadas, os responsáveis pela gestão de crises de TI têm em mãos o panorama completo de riscos. Desse modo, podem avaliar quais deles pedem ações emergenciais no projeto. Dessa forma, o próximo passo é analisar o grau de impacto e fazer testes o quanto antes.

Para ficar mais claro, imagine que um certo processo precisa de um recurso tecnológico novo, do qual ainda não se tem muitos dados. Nesse caso, é indicado testar esse ponto do projeto prioritariamente para que, se houver algo errado, haja soluções já mapeadas no plano de contingência e que podem ser implementadas.

4. Audite e otimize

Um planejamento de gestão de crise deve contar com o monitoramento das atividades, sejam elas realizadas internamente ou externamente. A área de TI é um das mais estratégicas atualmente, já que suporta toda a operação dos negócios e precisa ter continuidade para minimizar prejuízos e otimizar os resultados.

Por isso, é fundamental que os gestores auditem os processos para acompanhar a sua performance. Ao fazer isso, automaticamente estão contribuindo com investimentos inteligentes, redução de custos, fluidez nas atividades diárias e muitos outros benefícios.

Como um parceiro de TI pode contribuir para a gestão de crise na sua empresa?

A gestão de crise pode ser feita com mais facilidade quando acontece em parceria entre empresas e fornecedores especializados. Isso porque, por meio de soluções de outsourcing, as organizações contam com profissionais altamente qualificados, bem como atuam em níveis de maturidade que garantem a eficiência e a qualidade dos serviços prestados.

Quando se trata de integração de serviços tecnológicos e consultorias em diversas áreas ligadas à TI, a Teletex pode ajudar o seu negócio. Com mais de 30 anos de mercado, oferece mais de 60 soluções de tecnologia da informação, as quais certamente se adequam às demandas da sua empresas.

Essas estão ligadas, por exemplo, à Data Center, conectividade, segurança da informação, inovação, colaboração, gerenciamento de aplicativos e cidades inteligentes.

Esperamos que o nosso conteúdo tenha sido útil para você. Quer saber mais sobre as soluções da Teletex para a área de TI do seu negócio? Então entre em contato com um de nossos especialistas!