Compartilhe este conteúdo:

Diante do aumento do número de ataques nos ambientes, o investimento em cibersegurança no Brasil tem se tornado cada vez mais relevante e estratégico para as empresas. Isso porque, elas lidam com dados importantes do negócio e de informações sigilosas dos clientes. Ou seja, elas têm uma grande responsabilidade. Vale destacar ainda, que o investimento nesta área ajuda as empresas a conquistarem a confiança por parte dos consumidores.

Está interessado em saber mais sobre o assunto? Neste artigo nós explicaremos detalhadamente o que é a cibersegurança, a distinção desse conceito para o da segurança da informação e traremos alguns números referentes a esse setor. Acompanhe a seguir.

Cibersegurança: o que é?

Esse conceito faz referência a um conjunto de ações e técnicas que visam proteger sistemas, softwares, redes ou equipamentos dos invasores. Dessa maneira, é possível assegurar que informações valiosas das empresas, por exemplo, não sejam vazadas ou violadas devido a ataques cibernéticos.

Vale ressaltar que esses ataques podem ter diferentes intenções. Entre elas estão acessar servidores, roubar senhas, fazer o sequestro de dados ou até mesmo fraudar transações financeiras. Enfim, são inúmeras possibilidades de prejuízos que os ataques cibernéticos podem causar.

Qual é a diferença entre a segurança da informação e a cibersegurança?

Diante do que apresentamos, no primeiro momento, a cibersegurança se parece muito com outro conceito: o da segurança da informação. No entanto, há algumas diferenças entre eles. De maneira geral, podemos dizer que a cibersegurança é uma parte da segurança da informação.

Primeiramente, a cibersegurança é mais direcionada aos softwares, hardwares e redes. Ela cuida do sistema da companhia de forma a não permitir ataques cibernéticos. Além disso, previne problemas relacionados a gestão das informações feitas pelas máquinas, no trânsito e armazenamento de dados, ou seja, protege as informações armazenadas no meio digital.

Nesse sentido, algumas medidas são tomadas. Entre elas estão o uso de antivírus nos computadores, ter cópias de segurança, uso de backups, a criptografia dos dados e o uso da assinatura digital com o intuito de demonstrar a autenticidade de um arquivo. Todos esses recursos, somados, dificultam a perda de dados de forma definitiva e reduzem as probabilidades de fraudes.

Por outro lado, a segurança da informação é um conceito mais abrangente, pois se preocupa com a proteção de todos os dados de uma organização. Isso vai desde o armazenamento das informações até os dados que são administrados pelas pessoas.

Por causa dessas características, há várias atividades que podem ser feitas com a intenção de garantir a segurança da informação. Elas podem passar, por exemplo, por regras para transporte de computadores, política de troca constante de senhas, procurar assegurar que os funcionários estão usando senhas fortes, quais as informações que podem ser fornecidas a cada empregado em uma empresa, entre outras questões, por exemplo.

Investimento em cibersegurança no Brasil: qual a real necessidade

Não há nenhuma dúvida de que os números são alarmantes em relação ao investimento em cibersegurança no Brasil. De acordo com a pesquisa feita pela Ponemon Institute, as empresas brasileiras apresentaram uma perda de US$ 7,2 bilhões (o que equivale a, aproximadamente R$ 29,8 bilhões) por causa dos ciberataques sofridos em 2018. Companhias de diversos segmentos (saúde, varejo, finanças, serviços etc.) têm enfrentado problemas em relação a essa situação.

A preocupação com o investimento em cibersegurança no Brasil tende a se intensificar ainda mais com a aprovação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Ela tem como principal objetivo proteger os dados dos clientes, para que eles não sejam usados sem consentimento.

Agora, você deve estar se perguntando: qual é a relação entre a aprovação da LGPD e a maior preocupação com as questões relacionadas à cibersegurança? Antes de responder a essa pergunta é importante destacar que a lei será implementada efetivamente no Brasil em dezembro de 2020.

Dessa forma, desde já, todas as organizações de pequeno, médio e grande porte são encarregadas de investir em cibersegurança e implementar sistemas de compliance efetivos. Assim, ambas as ferramentas são utilizadas com a intenção de detectar, prevenir e diagnosticar as violações de dados pessoais. Além disso, quem descumprir as regras pode pagar uma multa de até 50 milhões de reais por causa da LGPD.

Em relação aos cuidados a serem tomados no que se diz respeito a cibersegurança, as empresas precisam seguir algumas recomendações. Entre elas estão o uso de uma solução de contenção de ameaças, a atualização dos sistemas operacionais dos computadores, o uso de antivírus, a utilização de senhas fortes, fazer backup regulares, armazenar as informações em pelo menos dois dispositivos (caso perca um dado importante em um deles é possível recuperar em outro dispositivo) etc.

Além dessas dicas citadas, atualmente a proteção do ambiente de tecnologia da empresa precisa estar pautada em alguns pilares conforme segue:

  • Segurança no dispositivo do usuário: Todo dispositivo de usuário deve ter proteção contra ameaças, seja um computador, um smartphone ou um tablet. Recomendamos implantar solução avançada de proteção, não apenas um antivírus comum é suficiente para bloquear ameaças avançadas.
  • Segurança na rede local: A rede local deve ser um sensor e permitir que ao detectar alguma ameaça, ela possa reagir e bloquear o usuário ou então possibilitar uma correção automatizada do incidente.
  • Segurança na borda de Internet: A borda de Internet continua sendo essencial, incluindo soluções de firewall que tenham proteção contra vírus, malwares, ataques direcionados, entre outros.
  • Segurança para usuários externos: usuários externos no ambiente, como executivos comerciais ou viajantes devem ter seus acessos monitorados e protegidos para que não exista comprometimento das informações que eles acessam.
  • Segurança na nuvem: Com a grande difusão das aplicações em nuvem, é necessário implantar proteções para este ambiente que fica exposto na Internet e que pode ser alvo fácil de pessoas mal-intencionadas.

Os ataques virtuais têm crescido cada vez mais no país. Diante desse cenário, o investimento em cibersegurança no Brasil tornou-se cada vez mais importante. Essas questões podem até parecer burocráticas na sua empresa, no entanto, garantirão segurança em relação às informações que circulam por lá.

Podemos afirmar que ao realizar as principais práticas e usar as ferramentas certas de cibersegurança na sua empresa, seus clientes estarão tranquilos e confiantes de que seus dados estarão seguros e você evitará prejuízos financeiros por causa da LGPD.

Caso você tenha alguma dúvida a respeito desse assunto ou esteja procurando maneiras para melhorar a cibersegurança da sua empresa, entre em contato conosco. A Teletex conta com os melhores profissionais e parceiros de negócio para desenhar a melhor solução para seu ambiente. Agende já uma reunião conosco.

Rafael Santos – Gerente Pós-vendas